Make your own free website on Tripod.com
INÍCIO >> POESIAS CÓSMICAS >> VALES DO AMANHÃ
Vales do Amanhã
Nos vales infinitamente verdejantes,
as brisas mais suaves e primaveris são sopro frágil do estelar para todo o sempre
Distância dos campos de ciprestes, dos lírios que dançam ao vento é tão somente um lapso de tempo,
O momento iluminado tem ares de graça, de nuvem em halo violeta, que quer ficar, porém, às vezes passa célere, alva e repentina em apostasia
Nuvens densas, Em magia, no fluir da água do riacho, no cântigo dos monges, banhando em vôo de rapina, a sina, que dobra os sinos inesperadamente na mente.

Violinos em recitais vestem arpejos, colhem desejos de beija-flores angelicais
Simetria é sincronia da altivez de divinas notas musicais
Desfiladeiros guardam segredos e intrigam o sonho dos pobres mortais
Fontes podem ser Montes, antigos escudeiros de flores medievais, protetores e guardiões de outras cores, em plenos planos de vegetações, flora e fauna celestiais

E nos meandros dos extensos e infindos vales, podem surgir altíssimas guaridas, encantadas moradas
Cantares Desconhecidos, no renascer de Esquecidos Lares

Luzes, Pontos e Encontros, em formas variadas,
Estradas longe do olhar e próximas da mente, que simplemente cruzam o etério na colina Cristalina
No vôo de rapina, sobre os vales, no qual a Percepção
Vence a tola razão.
E ao abrir de asas consideradas perdidas, o luzir de portas antes apenas imaginárias
São templários, Naves Estranhas No principiar da Viagem Celestina ...


:: VOLTAR
Luzes Celestiais - © Todos os Direitos Reservados - ::Contato::